‘Cidade Gráfica’ expõe design e ativismo

Um grupo chega ao estádio lotado para uma partida e segue para tomar seu lugar na arquibancada.

Em movimento calculado para ser flagrado pelas panorâmicas das transmissões de TV, desfralda sua enorme bandeira. Em vez da tradicional evocação à garra de algum time de futebol, está escrita a pergunta: “Onde estão os negros?”.

De autoria do coletivo Frente 3 de Fevereiro, que se apropria de formas diversas de veiculação de informação, o vídeo pode ser visto na mostra “Cidade Gráfica”, que traça um panorama das estratégias de design visual em mensagens que são trocadas na vida complexa das cidades.

Manifestos, ativismo, pesquisa sobre o design regional espontâneo (ou vernacular), intervenções poéticas e ficções sobre o espaço fazem parte da exposição.

O cartaz vazado “Sempre algo entre nós”, de Vitor Cesar Junior, poderia ser a epígrafe da mostra, diz a curadora Elaine Ramos. “A ideia remete tanto à cidade como espaço que nos une quanto à função do design como mediação.”

O trio formado por Ramos, Celso Longo e Daniel Trench construiu um panorama fresco da produção contemporânea brasileira, partindo de uma seleção inicial de campo, completada por uma chamada pública de trabalhos. O resultado são 40 obras de 36 artistas e coletivos de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio, Pará e Bahia.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/197051-cidade-grafica-expoe-design-e-ativismo.shtml

 

Anúncios

Estreante na Bienal de Design de Istambul, “Repair Society” recupera memória e hábito de consertar

Liquidificador, ventilador, luminária e cadeira quebrados, calça descosturada, malha desfiada. Você sabe consertar? Seus pais sabiam? E seus avós? É provável que alguém da sua família saiba ou soubesse, e que essa capacidade já tenha se perdido.

Pois é através da recuperação das memórias dos mais velhos que o projeto “Repair Society” mostra o valor do ato de reparar objetos, roupas, móveis. E o quanto essa sabedoria tem a ver com autonomia, independência e sustentabilidade.

O projeto foi lançado na semana passada, na segunda Bienal de Design de Istambul, que segue até 14 de dezembro na cidade turca. Mais em ttp://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/11/1544629-lixo-estreante-na-bienal-de-design-de-istambul-repair-society-recupera-memoria-e-habito-de-consertar.shtml

Capítulo sobre design no Livro da Phaidon sobre a cultura brasileira contemporânea

capa do livro da Phaidon sobre cultura brasileira

capa do livro da Phaidon sobre cultura brasileira

Tive o prazer de participar escrevendo o capítulo sobre design brasileiro no livro recém lançado pela Phaidon “Brazil – a celebration of contemporary brazilian culture”, editado somente em inglês. O livro ficou lindo e tem apresentações de Alcino Leite Neto e Samantha Pearson e textos de Ana Vaz Milheiro, Kiki Mazzucchelli, Simone Esmanhotto, Rodrigo Fonseca, Rafael Mantesso, Paulo Werneck, Paulo Terron, Eder Chiodetto e Marcelo Rezende. Segue um trecho do meu texto:

“Nos últimos dez anos, nomes como os de Jader Almeida, Zanini de Zanine, Fernando Prado, Luciana Martins e Gerson de Oliveira (da OVO) exploraram caminhos estéticos diversos e aprimoraram tecnicamente sua produção de mobiliário, iluminação e utensílios, ocupando hoje espaço ao lado dos já reconhecidos designers Claudia Moreira Salles, Carlos Motta e dos irmãos Campana.

A revalorização das tradições e técnicas locais do artesanato popular e a difusão da ideia do design de interesse social no país adicionam a esse time os nomes de Renato Imbroisi, Marcelo Rosenbaum e Domingos Tótora.

O mercado editorial, as TVs e a internet mostram o crescimento da cena do design no país e ampliam a visibilidade das produções dos designers brasileiros em novas coleções de livros de referências, ensaios históricos e guias práticos, revistas, sites e programas sobre design.

Na educação, o incremento dos últimos anos foi relevante. Há atualmente cerca de 450 cursos de graduação e técnicos espalhados pelo país – relativos somente ao design de produtos e de mobiliário-, dez programas de mestrado e ao menos três doutorados, a maioria desses cursos com menos de 10 anos.”

Lixo: Segundo turno das madeiras

Em vez de chutar ou descartar, reusar. Cavaletes de propaganda eleitoral de São Paulo foram transformados em cinco objetos –entre eles o Cabideiro Ficha-Limpa, “feito para político corrupto pendurar a chuteira”, e a Mesinha da Democracia, onde “todos os bibelôs têm direitos iguais”. A proposta é do Mobiliário Político, uma iniciativa que pretende discutir os danos desse tipo de propaganda e quer transformá-las em “algo legal para a população”, de acordo com o seu slogan.

As cavaletes com caras de candidatos atrapalharam os pedestres durante toda a campanha, impediram a visão da sinalização de trânsito e dos próprios carros e travaram os passeios públicos. Além do estorvo para a mobilidade, geraram centenas de toneladas de lixo. No primeiro turno, foram aproximadamente 45 toneladas em Porto Alegre, 50 toneladas em Brasília, 140 toneladas em Belo Horizonte, 250 toneladas em São Paulo e 350 toneladas no Rio, segundo dados de jornais compilados pela ONG Mobilize, que idealizou o projeto Mobiliário Político.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1541107-lixo-segundo-turno-das-madeiras.shtml