MIT elabora sistema para cooperativa de catadores de recicláveis de SP

Dois pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) dos Estados Unidos desenvolveram um sistema sob medida para a mais antiga cooperativa de catadores de material reciclável do Brasil, a Coopamare, criada em 1989.

A Coopamare funciona embaixo do viaduto Paulo 5º, em Pinheiros, zona oeste de SP.

O sistema deve ampliar o acesso dos moradores da região à coleta e aumentar o volume de material recolhido. O projeto é piloto, feito com software livre, e deve começar a funcionar no segundo semestre de 2012.

Aumentar a coleta de recicláveis é fundamental para preservar o meio ambiente. Desonerar os lixões abertos é economia de recursos e ganho em saúde pública.

O país aprovou, no ano passado, uma Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que indica que os municípios devem banir os lixões e implantar sistemas de coleta de recicláveis em domicílios até 2014.

Estima-se que só 2,4% da quantidade total de resíduos domiciliares e públicos sejam destinados a coleta seletiva no Brasil, segundo o estudo Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos 2009, do Ministério das Cidades.

O plano exige ainda a logística reversa, que é retornar embalagens e outros materiais à produção industrial após consumo e descarte.

AGENDAMENTO

Com o aplicativo bolado pelos pesquisadores do MIT, por celular, tablet ou pelo site na web, os moradores da área de atuação da cooperativa poderão indicar que tipo de material querem doar e a data da retirada.

Na outra ponta, os catadores da cooperativa –hoje 23 cooperados– verão mapas com doações agendadas.

A Coopamare recebe e coleta papel, vidro, plástico, lata e eletrônicos. Seus dois caminhões e carroças percorrem a região de Pinheiros das 8h às 16h e passam por três supermercados, empresas, escolas e condomínios.

Depois de recolher o material, acontece o trabalho de separação, prensagem e pesagem. Saem do pátio da cooperativa mensalmente de 50 a 70 toneladas de residuos sólidos, de acordo com Walison Borges Silva, 26, tesoureiro e cooperado há oito anos.

Os maiores compradores são empresas como Suzano (papel e papelão), Santa Marina (vidros), já no sistema de logística reversa. Outras empresas processam e reciclam PETs e plásticos.

USABILIDADE

Para criar o programa, os pesquisadores Dietmar Offenhube e David Lee, do MIT, forneceram aos catadores aparelhos GPS e gravaram os percursos dos veículos da cooperativa. Com as informações, elaboraram um mapa e um banco de dados para armazenar pedidos de coleta e criaram as interfaces para celular, web e para a administração do sistema.

O próximo passo será testar a usabilidade do programa, com ajuda de alunos de mestrado e doutorado do Programa de Ciência Ambiental da USP, orientados pelas professoras Maria Cecilia dos Santos, Sylmara Gonçalves-Dias, Sônia Mercedes, e a pesquisadora da Universidade de Sheffield, Reino Unido, Ana Paula Bortoleto.

 

Criações da Escola de Eindhoven

  • Soluções inspiradas, projetos provocativos, proposições para a mutante vida urbana, inclusão social, instrumentos de trabalho e para a cidadania, novas ideias para o prazer, preservação da natureza. Estes são alguns dos temas em torno dos quais se movem os trabalhos dos alunos da Academia de Design de Eindhoven (DAE), da Holanda, na exposição de 2011.

    As exposições dos alunos da DAE já fazem parte do circuito internacional. As mostras acontecem no mesmo período da Semana do Design Holandês, o que favorece a visita de gente do mundo todo, e a escola prepara apresentações de trabalhos e seminários também durante o Salão Internacional de Design de Milão, na Itália.


A escola de Eindhoven

A DAE é conhecida com uma das mais importantes escolas de design do mundo. Passaram por ali representantes das vertentes mais interessantes do design holandês, como Hella Jongerius, Maarten Baas e Tord Boontje.

Curiosidade, abertura, consciência social e visões do futuro são valores pedagógicos. Além de um currículo diferenciado, a DEA está na cidade considerada o centro do design industrial da Holanda.

Ela nasceu em 1947. Tem curso de graduação e mestrado, e uma divisão de disciplinas que favorece a experimentação e o desenvolvimento de projetos individuais, sempre levando em conta a perspectiva humanista, pensando nos usuários dos produtos e serviços.

Após o primeiro ano na DAE, o aluno escolhe um dos oito departamentos, todos chefiados por designers ou artistas – Lazer, Comunicação, Mobilidade, Identidade, Bem-estar, Espaço público, Atividade e Modo de vida. Tem aulas teóricas e um intenso trabalho de projeto, em oficinas, laboratórios e ateliês.