Análise: o efeito estufa e a sua lata de lixo

[ MARA GAMA ]
Para tratar duas fontes de gases do efeito estufa, o Brasil poderia olhar com seriedade para um de seus problemas sanitários e sociais mais graves: o sistema que alimenta a disposição inadequada de resíduos nos lixões.
Os lixões são como fábricas descontroladas de produção de metano, porque são locais onde se amontoam resíduos para livre fermentação e lenta decomposição. Além disso, os lixões são o ponto final de longos trajetos diários de uma enorme frota de caminhões que trança o país emitindo carbono, também responsável pelo aquecimento.
De acordo com o relatório “Waste Atlas 2014”, cerca de 75 milhões de brasileiros usam os 3.000 lixões ou aterros inadequados ativos no país. Como atacar o problema? Adotando soluções localizadas e sustentáveis como:
1) instituir a separação do lixo doméstico em três frações: recicláveis secos (alumínio, plástico, papel e vidro); orgânicos; rejeitos (o que não é reciclável).
2) incentivar compostagem caseira ou envio de resíduos orgânicos para centrais regionais de compostagem e usinas de biogás.
3) reintroduzir na cadeia produtiva os recicláveis secos, com um plano industrial para a reciclagem e a desoneração de impostos para os produtos feitos com matéria reciclada.
4) investir em pesquisa para ampliar o rol de matérias recicláveis.
5) construir aterros para rejeitos, com captação de gás metano.
Um passo importante foi dado em novembro para avançar no item 3. Foi assinado o maior acordo de logística reversa no país, o das embalagens, que regulamenta o fluxo dos vasilhames pós consumo. Segundo o acordo, as 12 capitais brasileiras que foram sedes da Copa de 2014 terão metas de recolhimento dos descartáveis e incremento das coletas.
Com isso, deve triplicar o número de postos de entrega voluntária, e as empresas que criam, usam e revendem embalagens têm de investir em coleta, separação, tratamento e compra.
Falta muito chão. Mas dá para começar a fazer a sua parte, em casa, gastando um tempinho a mais com a sua lata de lixo.
Mara Gama é jornalista, roteirista e consultora de qualidade de texto da Folha; escreve sobre utilização do lixo

http://temas.folha.uol.com.br/cenarios/ano-do-clima/analise-o-efeito-estufa-e-a-sua-lata-de-lixo.shtml

Anúncios

Jogos do Clima atacam com humor maquiagem verde das empresas na COP21

Até o dia 11, acontece em Paris a COP 21, conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que quer chegar a um acordo para reduzir emissões de gases do efeito estufa, limitando em 2ºC o aquecimento da atmosfera até 2100, em comparação com níveis pré-industriais. Um de seus desafios é fazer com que países ricos e pobres concordem sobre compensações de danos causados ao meio ambiente.

As grandes corporações empresariais que se movimentam em volta dos governos e que patrocinam essa cúpula do clima têm um único interesse: fazer lobby para manter a economia global exatamente como está e seguir obtendo seus lucros baseados na economia de combustíveis fósseis.

Essa é a tese central do Brandalism (fusão das palavras Brand, de marca, e Vandalism), movimento que quer desmascarar a maquiagem verde, o greenwashing, técnica usadas pelas empresas para apresentar como ecologicamente corretos iniciativas, políticas e produtos que não são sustentáveis de fato.

O movimento conquistou visibilidade com a campanha de cartazes irônicos criados por 80 artistas, Bansky entre eles, que invadiu os murais de anúncios de rua de Paris a partir do dia 27 de novembro. Com design gráfico bem acabado, as peças satirizam empresas gigantes da economia baseada no petróleo, como Volkswagen e Air France, e governos de países desenvolvidos como Inglaterra, Estados Unidos, Japão e França.

http://folha.com/no1715179