O artificial das novas peças dos Campana

A Edra, casa que edita os produtos dos irmãos Campana na Itália, tem sempre estandes supervisitados, lúdicos, com iluminação dosada para um clima de diversão, boate.

Este ano o espaço brilhou ainda mais.

A nova coleção dos Campana está repleta de espelhos, tecidos e materiais que se afirmam como ultra-artificiais, metálicos.

A mesa “Brasilia” tem novas cores fortes. Um “espelho” de colocar na parede é todo feito de espelhos amarrados.

Há um novo aparador todo feito com espelhos coloridos e recortados.

As cadeiras que eram feitas de couro e tinham um toque manual foram transformadas e ficaram com cara de vinil, verniz, plástico.

E o sofá alienígena em versão multicolorida ou pink desbotada

Elogio ao LED

O designer Enzo Catellani define os LEDs (Light Emitting Diodes, diodos de emissão luminosa) como “luzes ecológicas”, porque diminuem as emissões de CO2 a 1/5, economizam energia, não têm manutenção e têm duração de cerca de 70 mil horas, contra 2 mil horas de uma lâmpada halógena e mil horas de uma incandescente.

Catellani apresentou durante a Euroluce 2009, salão de iluminação de Milão, uma coleção que define como “zen, meditativa e relaxante, que abaixa a tensão no ambiente por ela iluminado”.

São delicadas as luminárias. Hastes, fios e interruptores finíssimos e discretos. Aqui as luminárias “Magic”, “Uau” e “WaWa”.

Multidesigners da Flos

Os multidesigners Antonio Citerio, Patricia Urquiola e Marcel Wanders assinam a coleção de luminárias externas que a empresa Flos, uma das maiores do ramo de iluminação, lançou durante os salões de design em Milão este ano.

"Belvedere", de Antonio Citerio, no estande da Flos no salão Euroluce de Milão, 2009

"Belvedere Round", de Antonio Citerio, no estande da Flos no salão Euroluce de Milão, 2009

Citério, 59, arquiteto, produz para marcas como B&B Italia, Flexform, Guzzini, Kartell, Vitra, Littalia. Tem objetos de sua criação nas coleções do Pompidou, na França, no Museu de Arquitetura de Chicago e no Moma de Nova York, e é professor de arquitetura na universidade.

A espanhola radicada na Italia Patricia Urquiola, 48, terminou sua formação no Politécnico de Milão, foi aluna de Acquille Castiglioni, e produz hoje para Agape, Alessi, Biscazza, Driade, Moroso, Kartell, Foscarini, MDF Italia.

"Wallflower", de Marcel Wanders

Marcel Wanders também é polivalente, multidisicplinar, e atuando em design e arquitetura. Produz para Cappellini, Boffi, Poliform, Moroso e é um dos fundadores da Mooi.

Detalhe da "Wallflower", de Marcel Wanders

Esculturas orgânicas e fluidas da Artemide

A Artemide é uma das maiores empresas no mundo da iluminação. Faturou 127 milhões de Euros em 2008 (9,1% a mais que em 2007).

"Genesys", de Zaha Hadid

Tinindo de branco, a estande da empresa na Euroluce, salão de iluminação que termina nesta segunda aqui em Milão, era das mais estreladas. Numa das entradas do espaço, a escultural peça da arquiteta Zaha Hadid, “Genesys”, de 1,95 m de altura. A luminária de pé evoca a memória dos desenhos e mobiliário urbano art nouveau e ao mesmo tempo é claramente futurista, fruto de projeto da era da moldabilidade de materiais.

"Cosmic Leaf" de Ross Lovegrove

Em outro ambiente, as formas cósmicas de Ross Lovegrove: “Cosmic Leaf” (a de pé mede 1,92m), “Cosmic Ocean” e “Cosmic Angel”. Lovegrove diz que sua criações são fruto da pesquisa contínua sobre formas líquidas, sobre algoritmos digitais e o processo de contemporâneo de produção e criação diretamente pelo software.

"Doride", de Karim Hashid

Doride”, de Karim Hashid, também com uma versão de pé, com haste longa (1,60m a 2,20m). Hashid a definiu como um gesto fluido, “uma peça zoomórfica, uma natureza digital”.

Lumini na Euroluce

A brasileira Lumini tem estande na Euroluce, o salão dedicado à Iluminação, que termina nesta segunda, 27, aqui em Milão.

O designer Fernando Prado, multipremiado no Brasil e em grandes prêmios internacionais como o IF, deu plantão no estande criado pelo cenógrafo Felipe Crescenti.

Prado apresentou a nova integrante da “família Bossa”, a mini bossa, de 192 mm de diâmetro, feita “por sugestão de um cliente que encomendou mil exemplares” e lançou durante a feira a luminária “Lift”. Leve, ela desliza numa haste que apenas se apóia na parede e no chão. A fonte luminosa pode ser colocada em várias alturas, de acordo com o necessidade do momento.

Também no estande da Lumini as luminárias “Viva”, de André Wagner e “Luna” e “Led it Be”, de Prado.

O cenário de Crescenti usou cadeiras “Paulistano’ para o ambiente com uma parede coberta pelas simpáticas “Led it Be”.