Pegada ecológica tende a aumentar com a idade

O grupo que mais cresce no mundo é o de quem tem mais de 60 anos. Pode chegar a 2 bilhões até 2050, 20% do total da população mundial. Grande parte desse crescimento está ocorrendo em países de baixa e média renda. No Brasil, já em 2030, 30 milhões de brasileiros (ou 13% do total) estarão acima dos 65 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Apesar desse crescimento, o tema do envelhecimento ainda é pouco discutido por aqui, segundo o jornalista Jorge Felix, mestre em Economia Política e doutorando em Sociologia na PUC-SP.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/pegada-ecologica-tende-aaumentar- com-a-idade.shtml

Anúncios

E você, o que faz pela água do planeta?

Banho rápido, captar água de chuva, consumir menos descartáveis e atuar na comunidade. Todas essas atitudes podem ajudar a proteger o bem mais valioso do planeta.

Na próxima quinta, 22, se comemora o Dia Mundial da Água. Instituído pela ONU há 25 anos, o dia marca lançamento de uma campanha.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/e-voce-o-que-faz-pela-agua-doplaneta. shtml

Engajamento ajuda a proteger a água, diz especialista

A qualidade da água do bioma brasileiro mais atingido pelo desmatamento também não é boa. Sem a articulação entre participação da população, preservação das nascentes e governança não há como melhorar esse quadro.

Lançado na última segunda, 19, o último monitoramento realizado pela ONG ambiental SOS Mata Atlântica aponta que 20% dos 294 pontos de coleta espalhados pelos rios do bioma estão impróprios para uso. 75% dos pontos têm qualidade considerada regular, mas no limite da legislação. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo e apenas 4,1% (12) dos pontos de análise possuem qualidade de água considerada boa.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/engajamento-ajuda-a-protegera- agua-diz-especialista.shtml

Guia dá dicas de segurança para crianças no YouTube

“Não existe bloqueio digital perfeito”. É uma das advertências de um guia para navegar com mais segurança no YouTube divulgado pelo Movimento Infância Livre do Consumismo (Milc).

O Milc existe desde 2012 e reúne pais, professores e ativistas preocupados com a veiculação de propaganda nas escolas e publicidade dissimulada em conteúdos apresentados em canais e vídeos na internet. Eles se uniram para difundir informações e provocar discussão sobre esses temas.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/guia-da-dicas-de-segurancapara- criancas-no-youtube.shtml

Criança vendendo para criança é como Black Mirror, diz publicitária

Monitorar as crianças e discutir a publicidade com elas são as armas mais eficazes que pais e professores têm para combater o consumismo infantil no país hoje.

“Quando uma mãe e um pai têm capacidade crítica e informação sobre os mecanismos usados para vender os produtos eles devem conversar com as crianças. Nós fazemos isso no jantar, no almoço, nos trajetos e quando estamos em lojas”, conta a publicitária Mariana Sá, uma das fundadoras do Milc – Movimento Infância Livre de Consumismo, grupo que acaba de completar 6 anos.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/crianca-vendendo-paracrianca- e-como-black-mirror-diz-publicitaria.shtml

Combate ao consumismo é foco de programa educativo

Discutir o consumismo e incentivar as crianças de 6 a 12 anos a pensar sobre seu cotidiano e hábitos que impactam o meio ambiente são os objetivos do programa EcoAtivos, que vai atingir 500 escolas da rede pública em sete cidades do Brasil.

O projeto quer ampliar o conhecimento de professores, diretores, gestores e comunidade escolar para a adoção de atitudes sustentáveis. É uma espécie de alfabetização ambiental para adultos com o objetivo de chegar aos estudantes.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/combate-ao-consumismo-efoco- de-programa-educativo.shtml