Se até o esquilo consegue…

 O lema da Blu Dot é “levar o bom design para o maior número de pessoas possível”. Assim John Christakos, Charles Lazor e Maurice Blanks definem o trabalho da empresa, criada em 1997. A Blu Dot está na próxima ICFF, a 20 Feira Internacional de Mobiliário de Nova York, que começa dia 17 de maio.

A cadeira “Real Good”, que custa U$ 99, é uma das estrelas da produção da Blu Dot.

“Magrinha como uma top model”, segundo texto do site da empersa, a cadeira é uma dobradura. Olha que boa esta idéia do vídeo que mostra a montagem dela. Superdidático. Se até o senhor esquilo consegue…

O site da Blu Dot tem também a galeria “bom desenho é bom”, com os paradigmas de boa solução formal: ovo, plug para proteger as tomadas, funil, e os cartazes para desligar o celular nos trens franceses… uma lista eclética e divertida.

Anúncios

A punk de plástico

De 17 a 20 de maio, acontece a ICFF, 20 International Contemporary Furniture Fair, no Jakob K.Javits Convention Center, em Nova York.

Para alguns produtos, é a rota natural da espécie de turnê mundial depois do Salão Internacional do Móvel de Milão, que foi realizado de 16 e 21 de abril.

A cadeira Myto (foto acima) é um desses produtos. Com shape industrial, a Myto, projetada pelo designer alemão Konstantin Grcic em associação com as empresas Basf (produtora do plástico Ultradur), VIVI/Pastic Metal, Plank, e Nichele F.lli, foi apresentada pela primeira vez em Dusseldorf e teve seu grande lançamento em Milão em abril passado.

Uma sala simulando sua linha de produção e uma cápsula de testes de impacto foi montada dentro da Trienalle de Milão. Na foto abaixo, Konstantin Gcric e Martin Plank estudam modelo da cadeira.

Monobloco, a Myto e é feita em uma tela contínua, tem encosto ligeiramente arqueado e sustenta o peso num apoio que projeta a sombra do assento no chão. O material usado é habitualmente utilizado na indústria automobilística, por causa de sua forte resistência ao impacto. A cadeira pode ser feita em oito cores. Na foto abaixo, designer da equipe faz molde da malha plástica.

Em texto de apresentação do projeto, na mostra da Trienalle, o designer e escritor Jonathan Olivares descreve um show de punk rock para explicar a gênese do estilo da cadeira Myto.

Olivares conta que ele e Konstantin Grcic assistiram a um show de um grupo punk de Austin, Texas, em que havia farta destruição de cadeiras pelo vocalista.

Após o show, o vocalista se sentou numa das cadeiras que sobraram. Vendo a cena, Olivares fez um contraponto com a definição de Le Corbusier sobre os objetos, que Corbusier definiu como dóceis, discretos e invisíveis, em texto de 1925.

Olivares concluiu que as cadeiras que acabara de ver em cena não eram nada dóceis. Pelo contrário, “quando agressivamente animadas, elas se tornaram personagens ativas, com personalidade forte e vistosa”. E a Myto, segundo ele, vai nessa linha. Mas não adianta jogar no chão e tentar quebrar num momento de fúria punk. Ela é muuito resistente. Vi os testes. Dou fé.

Sentar e brincar

Objetos que se relacionam e complementam são o tema de Eiry Rock, que está presente no Salão Satélite de Milão.

Premiada com o Designer of the year 2007 e apresentada na mostra 100% Design, em setembro de 2007, em Londres, a cadeira-caixa (Box chair/ child´s chair) é formada por duas peças que se encaixam e separadas oferecem assentos para adulto (55cm) e criança (30cm) em um objeto lúdico.

Outra peça de Rock é a cadeira mais alta apoiada sobre uma cadeirinha pivotante, que roda 360 graus. A cadeirinha pequena funciona como o pé da cadeira grande e pode ser recolhida quando não está em uso.

As duas oferecem assentos para adulto e criança em alturas diferentes e a pequena pode funcionar como escada para a grande ou descanso de pé.