Lixo: Um banquete comunal para 5.000 contra o desperdício de comida

Mais de 800 milhões de pessoas não têm comida suficiente no prato. Uma em cada três crianças sofre de desnutrição. E mesmo com esse panorama, um terço dos alimentos produzidos no mundo é perdido ou estragado entre a produção, a colheita e as etapas de processamento, transporte, distribuição, transformação nas indústrias, vendas, restaurantes, refeitórios e casas, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação, FAO.

Entrepostos, supermercados, feiras e grandes centrais de varejo são locais onde se desperdiçam milhares de toneladas diárias. Mas a pequena linha de montagem doméstica que conecta geladeira, tábua de corte, pia e fogão não fica atrás: calcula-se que 17% do desperdício de alimentos é de responsabilidade do consumidor final.

Nesse mês de outubro, o desperdício de alimentos está em pauta. No sábado (18), em Oakland, nos Estados Unidos, acontece o primeiro “Feeding 5000” da América, já batizado de Woodstock das sobras, um banquete de rua, de graça, para 5.000 pessoas, que será feito com milhares de quilos de produtos que estavam destinados ao lixo porque não atendiam aos padrões das cadeias de supermercados.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1533893-lixo-um-banquete-comunal-para-5000-contra-o-desperdicio-de-comida.shtml

Anúncios

Lixo: Empresa coleta lixo orgânico de restaurantes e devolve erva e tempero

Na segunda (6), começa a funcionar uma central de tratamento de resíduos orgânicos que vai processar sobras de comida de sete restaurantes da cidade: Martín Fierro, Mesa III, Epice, Attimo, Casa Jaya, Jiquitaia e Beato. A central usa o sistema de compostagem acelerada e está preparada para tratar também resíduos orgânicos de condomínios, hotéis e clubes. Com capacidade inicial de 2 toneladas, pode chegar a 40 toneladas por dia.

A iniciativa é do Instituto Guandu, empresa que faz a coleta nos restaurantes, encaminha para a central e administra o processamento, que tem como resultado final um adubo orgânico. O adubo é usado numa horta onde são cultivados ervas, temperos e outras plantas comestíveis como Ora-pro-nobis, Mastruz, Capuchinha e também Verbena Limão. A produção volta como ingrediente nas preparações de pratos servidos pelos mesmos restaurantes. Em dois deles –Attimo e Casa III– o adubo que vem do processamento dos resíduos também é utilizado na horta local.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1526336-lixo-empresa-coleta-residuos-de-restaurantes-e-devolve-erva-e-tempero.shtml