Crianças de Ilhabela terão atividade de compostagem nas escolas

Quando voltarem às aulas depois do Carnaval, crianças de 14 escolas municipais de Ilhabela (a 210 km de São Paulo) vão conhecer e poder participar de uma experiência de compostagem.

É o maior projeto em número de escolas e de alunos desse tipo em todo o litoral norte do Estado, segundo seus organizadores. A ilha tem cerca de 33 mil habitantes e 5.500 crianças matriculadas nos ensinos fundamental e médio, de acordo com o censo de 2015.

Usando o sistema de cilindros para a compostagem termofílica, os alunos poderão acompanhar o processo de transformação de restos da preparação das merendas e de podas de árvores e varrição em composto. O composto é um fertilizante natural, absorve carbono e pode ser usado para hortas e jardins.

Mais em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2018/01/1953470-criancas-de-ilhabela-terao-atividade-de-compostagem-nas-escolas.shtml

Prédios da economia digital usam reciclagem para cortar gastos

Além de assuntos, ritmos e dos perfís de grande parte de seus funcionários, escritórios de algumas das maiores empresas de tecnologia de São Paulo têm um outro fator em comum.

Sem muito alarde, circulando pelos elevadores de serviço no contraturno e com estações de tratamento nas garagens, os prédios que os abrigam adotaram sistemas de gestão ambiental de resíduos.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/01/1950692-predios-da-economiadigital- usam-reciclagem-para-cortar-gastos.shtml

Campanha traz seis objetivos para avançar na compostagem em SP

Compromisso público e engajamento municipal no desenvolvimento do setor da compostagem são os objetivos de um grupo de associações, organizações e pesquisadores atuantes de São Paulo.

Eles se uniram e elaboraram um plano com seis tópicos, que se desdobram em 24 ações, para tornar a compostagem parte do programa de governo da capital paulista. O grupo calcula que a cidade poderia economizar R$ 465 milhões por ano se os resíduos orgânicos fossem compostados e não levados para aterros.

Os seis objetivos, alinhados com os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da ONU), estão difundidos no site Objetivos da Compostagem, que lança nesta sexta (3) uma campanha. Os objetivos já foram apresentados em fevereiro de 2017 ao atual secretário do Verde, Gilberto Natalini, numa roda de conversa.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2017/03/1863326-campanha-traz-seis-objetivos-para-avancar-na-compostagem-em-sp.shtml

Em Paris, mictório ecológico de rua coleta xixi para fazer composto

Eles chegaram no fim de dezembro a uma calçada da rue de Bercy, perto da Gare de Lyon, que está entre as dez maiores estações de Paris. Na parte de cima, uma floreira com espécies perfumadas, como a lavanda, por exemplo. Na parte de baixo, um compartimento cheio de palha seca.

Uma abertura permite aos homens urinar em pé de frente para as flores diretamente no compartimento que tem palha. Esse é o esquema do Uritrottoir, mictório ecológico de rua. “La mini-vespasienne seche”, alude aos banheiros públicos parisienses – vespasiennes”, também só para homens – instalados a partir de 1834 na capital francesa. Em Paris, os banheiros de rua para mulheres só apareceram quase 150 anos depois.

Criados pela agência de design industrial Faltazi, alguns Uritrottoir devem ser instalados ainda no primeiro semestre de 2017 em Nantes, também na França, onde fica a empresa, e Lausanne, na Suíça, segundo os fabricantes.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2017/02/1855377-em-paris-mictorio-ecologico-de-rua-coleta-xixi-para-fazer-composto.shtml

Novo parque de Floripa tem horta comunitária e vai ensinar a compostar

Nada melhor que o ambiente de um parque para compreender o percurso natural dos alimentos. Para incentivar a agricultura urbana, difundir o aproveitamento dos resíduos orgânicos e, com isso, evitar a sua disposição em aterro sanitário, o novo Parque Jardim Botânico de Florianópolis, aberto em 25 de setembro, tem sua horta e vai ensinar a compostar.

As oficinas de compostagem para o público devem começar em 5 de novembro. O plano é que sejam repetidas mensalmente. Já estão previstas nove oficinas. Elas fazem parte de um convênio da empresa que administra a coleta da capital catarinense, a Comcap (Companhia Melhoramentos da Capital), e do Cepagro (Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo). A Cepagro virou referência ambiental por causa da sua Revolução dos Baldinhos, projeto de compostagem comunitária realizado desde 2009.

No parque, foi criado um espaço didático que mostra soluções possíveis de tratamento de resíduos orgânicos. Ali estão vários modelos de composteiras residenciais e soluções para maior escala, como a técnica que é usada no pátio de compostagem da Lapa, em São Paulo, e que foi desenvolvida pelo Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Catarina.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2016/10/1824946-novo-parque-de-floripa-tem-horta-comunitaria-e-vai-ensinar-a-compostar.shtml