Em 6 anos, Eletropaulo deu R$ 785 mil de bônus por recicláveis

Programa de troca de resíduos por descontos de energia existe há mais de uma década
no país.

A promessa de desconto na conta de luz mobilizou 5.000 consumidores da companhia de energia de São Paulo em 2017. Mil toneladas de recicláveis foram entregues à Eletropaulo no ano passado para a obtenção de bônus, segundo a empresa.

Desde o início da operação do projeto Recicle Mais, Pague Menos, em 2013, que troca papel, plástico, vidro e pacotes TetraPak por bônus na conta de energia, foram encaminhadas 6.000 toneladas de resíduos e a contrapartida aos consumidores foi de R$ 785 mil em descontos.

A empresa mantém 13 pontos de coleta e 15 máquinas que recebem latinhas, garrafas PET e vidro em estações da linha 4-amarela do metrô e em outros pontos de trânsito de pessoas em cidades como São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema, Itapevi, Barueri e Carapicuíba.

Mais em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2018/05/em-6-anos-eletropaulo-deu-r-785-mil-de-bonus-por-reciclaveis.shtml

Ilha de Porto Belo, em SC, caça bitucas dos turistas

Ação recolheu 2.700 bitucas, que serão usadas em ações de sustentabilidade.

Depois de banir a venda de garrafas de vidro (2002), cigarros (2007), balões de borracha e canudos (2016), a Ilha de Porto Belo, em Santa Catarina, resolveu atacar as bitucas.

Em dezembro passado, foram instaladas 16 bituqueiras, colocadas faixas adesivas em cadeiras e mesas de praia, e os turistas são recebidos com cartazes com o lema Bitucas não são sementes.

Considerando os primeiros resultados, a campanha está conquistando adeptos. Na primeira coleta, foram recolhidas 2.717 bitucas, sendo que 30,62% estavam fora das bituqueiras. Na segunda coleta, foram 2,058, sendo que 25,46% estavam dispersas na praia. Os administradores estão guardando o material para usar em aulas sobre sustentabilidade e depois dar uma destinação adequada.

Mais em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2018/02/ilha-de-porto-belo-em-sc-caca-bitucas-dos-turistas.shtml

Reciclagem de embalagens chega a 29% no país, diz relatório

O índice de reciclagem de resíduos de papel, plástico e alumínio chegou a 29% no país, segundo relatório elaborado pela Coalizão Embalagens e entregue na última terça (28) ao Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. Não estão incluídas embalagens de vidros e nem de aço, sobre as quais não se tem estatística nacional.

O documento é um balanço da primeira fase do Acordo Setorial de Embalagens, assinado no final de 2015 e que regulamenta as ações das empresas que fabricam, importam, distribuem e comercializam embalagens em relação às metas da Política Nacional dos Resíduos Sólidos.

Uma das determinações da PNRS é a logística reversa, que determina que as empresas, consumidores e o poder público possuem responsabilidade compartilhada pelos resíduos resultantes do pós-consumo dos produtos. Para viabilizar essas atividades, são  necessários acordos e sistemas.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2017/12/1939664-reciclagem-de-embalagens-chega-a-29-no-pais-diz-relatorio.shtml

Campanha de reciclagem ‘Separe. Não Pare’ será lançada dia 28

“Separe. Não Pare. Um movimento que começa e não pode parar”. Esse é o mote de uma nova campanha nacional de informação e mobilização pela separação e pelo descarte correto dos resíduos domésticos. Ela será lançada na próxima segunda (28) em Brasília. O foco é o consumidor.

A campanha foi organizada e desenvolvida pelas empresas signatárias do acordo setorial de embalagens, reunidas no grupo Coalizão, em associação com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente).

O acordo setorial, que é previsto na lei brasileira dos resíduos sólidos e regulamenta o fluxo das embalagens pós-consumo, prevê como meta para o setor reduzir em 22% a quantidade de embalagens encaminhadas para aterros sanitários no Brasil, até 2018. Reduzir o que vai para aterro significa reciclar. Para reciclar, é preciso que o consumidor separe, as empresas providenciem a forma e os meios para receber de volta e a indústria reabsorva ou absorva esses materiais.

O engajamento da população é fundamental para dar o pontapé inicial, decisivo, separando corretamente em casa os materiais após o consumo.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2017/08/1912864-campanha-de-reciclagem-separe-nao-pare-sera-lancada-dia-28.shtml

Grupo de consumidores entrega garrafas usadas para produtores

Na manhã da quinta-feira, 3 de agosto, Carolina Tarrio, Thais Mauad e Nina Furukawa partiram para a ação. Elas foram até uma fábrica de leite entregar 365 garrafas de plástico vazias. Era a quantidade equivalente a um ano de consumo diário da casa de Carolina, que mora com o marido e com dois filhos. Juntos, os recipientes formaram dois sacos com cerca de 1 metro cúbico cada um.

Entregaram também uma carta, assinada por 157 compradores da marca. “Somos um grupo de consumidores satisfeitos com o produto de vocês: o leite da fazenda Bela Vista. Estamos, porém, profundamente infelizes e insatisfeitos com o tipo de embalagem utilizada para entregá-lo: garrafas plásticas”, diz a carta.

“Quando se busca preservar o planeta, consumir de modo consciente e seguir a legislação () vemos que a empresa deixa muito a desejar.” E prossegue: “por mais que as garrafas sejam recicláveis, por mais que se tente utilizá-las para outros fins, trata-se de um impacto ambiental fenomenal, que deve ser endereçado pela empresa de modo responsável e urgentemente”.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2017/08/1907073-grupo-de-consumidores-entrega-garrafas-usadas-para-produtores.shtml