Lixo: A 1ª usina de biogás no interior de SP

O interior do Estado de São Paulo inaugurou oficialmente sua primeira usina de energia do gás que vem do lixo. É a usina de Guatapará, que usa como matéria prima os resíduos domésticos de 20 cidades da região nordeste de SP, entre elas Ribeirão Preto, Araraquara, São Carlos e Sertãozinho.

Cerca de 2.200 toneladas de resíduos chegam por dia ao CGR (Centro de Gerenciamento de Resíduos) de Guatapará. Os resíduos são ali depositados e, da decomposição gerada pelos alta parcela de orgânicos, forma-se o gás metano. O gás é captado por mangueiras e enviado a uma estação de purificação e resfriamento. Da queima desse gás, se produz energia.

Segundo informações da empresa Estre, a usina de Guatapará tem capacidade de gerar 4,2 megawatts de energia, quantidade bastante para abastecer uma cidade com 18 mil habitantes, e deve chegar a 10 megawatts até o final de 2014. A energia gerada atualmente já abastece a estação energética da cidade de Pradópolis.
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/08/1500749-lixo-a-1-usina-de-biogas-no-interior-de-sp-e-o-design-que-transforma.shtml

Anúncios

Energia Solar

casa de bambu - foto inhabitat

Começou no fim de semana passado em Madri, Espanha, a 2010 Solar Decathlon Europe, concurso internacional para projetos ecologicamente corretos e eficientes no uso de energia solar.

São 17 equipes concorrentes, a maior parte ligadas a universidades, e os critérios de avaliação incluem minimização do uso de energia, inovação de arquitetura e engenharia construtiva e sustentabilidade. O objetivo é construir a casa mais barata e econômica.
A FabLab House, do Instituto Avançado de Arquitetura da Catalunha (IAAC) é um dos projetos concorrentes.



Fab Lab House - fotos IAAC

A casa tem 75 metros quadrados, comporta até quatro pessoas e sua estrutura de madeira permite a montagem em 15 dias.

A casa de bambu da Tonji University, de Xangai, tem quarto e sala, um jardim interno, controle de umidade e temperatura.

z A IKAROS House, da Universidade de Ciências Aplicadas de Rosenheim, Alemanha, tem um painel de shades e o sistema de energia é capaz de gerar quatro vezes o consumo médio da casa.

Energia solar em múltiplas formas

Até 29 de junho o Sesc Vila Mariana exibe “Made in Germany – Arquitetura + Ecologia”, organizada pelo Goethe Institut. Na foto abaixo, o condomínio “Am Schlieberg”, em Freiburg, da Rolf Disch Arquitetos, com placas dispostas de forma a possiblitar captação diferenciada de energia nos meses de inverno e verão.

Com painéis fotográficos e maquetes, são mostrados projetos representativos da arquitetura alemã que demonstram preocupação programática com o uso de energia. Na foto abaixo, O edifício da GSW, em Berlim, da Sauerbruch Hutton arquiteto, que faz bom uso da insolação natural e protege o interior com painéis coloridos.

Economia de energia de fontes não-renováveis, aproveitamento e potencializaão do uso de placas de captação de energia solar e uso adequado da insolação natural são os aspectos mais destacados, em formas variadas. Na foto abaixo, a casa R 128, em Stuttgart, da Werner Sobek engenheiros.

O Sesc Vila Mariana fica na rua Pelotas, 141, tel. 11 50803000