Capítulo sobre design no Livro da Phaidon sobre a cultura brasileira contemporânea

capa do livro da Phaidon sobre cultura brasileira

capa do livro da Phaidon sobre cultura brasileira

Tive o prazer de participar escrevendo o capítulo sobre design brasileiro no livro recém lançado pela Phaidon “Brazil – a celebration of contemporary brazilian culture”, editado somente em inglês. O livro ficou lindo e tem apresentações de Alcino Leite Neto e Samantha Pearson e textos de Ana Vaz Milheiro, Kiki Mazzucchelli, Simone Esmanhotto, Rodrigo Fonseca, Rafael Mantesso, Paulo Werneck, Paulo Terron, Eder Chiodetto e Marcelo Rezende. Segue um trecho do meu texto:

“Nos últimos dez anos, nomes como os de Jader Almeida, Zanini de Zanine, Fernando Prado, Luciana Martins e Gerson de Oliveira (da OVO) exploraram caminhos estéticos diversos e aprimoraram tecnicamente sua produção de mobiliário, iluminação e utensílios, ocupando hoje espaço ao lado dos já reconhecidos designers Claudia Moreira Salles, Carlos Motta e dos irmãos Campana.

A revalorização das tradições e técnicas locais do artesanato popular e a difusão da ideia do design de interesse social no país adicionam a esse time os nomes de Renato Imbroisi, Marcelo Rosenbaum e Domingos Tótora.

O mercado editorial, as TVs e a internet mostram o crescimento da cena do design no país e ampliam a visibilidade das produções dos designers brasileiros em novas coleções de livros de referências, ensaios históricos e guias práticos, revistas, sites e programas sobre design.

Na educação, o incremento dos últimos anos foi relevante. Há atualmente cerca de 450 cursos de graduação e técnicos espalhados pelo país – relativos somente ao design de produtos e de mobiliário-, dez programas de mestrado e ao menos três doutorados, a maioria desses cursos com menos de 10 anos.”

Anúncios

Lumini na Euroluce

A brasileira Lumini tem estande na Euroluce, o salão dedicado à Iluminação, que termina nesta segunda, 27, aqui em Milão.

O designer Fernando Prado, multipremiado no Brasil e em grandes prêmios internacionais como o IF, deu plantão no estande criado pelo cenógrafo Felipe Crescenti.

Prado apresentou a nova integrante da “família Bossa”, a mini bossa, de 192 mm de diâmetro, feita “por sugestão de um cliente que encomendou mil exemplares” e lançou durante a feira a luminária “Lift”. Leve, ela desliza numa haste que apenas se apóia na parede e no chão. A fonte luminosa pode ser colocada em várias alturas, de acordo com o necessidade do momento.

Também no estande da Lumini as luminárias “Viva”, de André Wagner e “Luna” e “Led it Be”, de Prado.

O cenário de Crescenti usou cadeiras “Paulistano’ para o ambiente com uma parede coberta pelas simpáticas “Led it Be”.