Lixo: Livro reúne artigos sobre design, resíduos e trabalho de catadores

“O apetite do mundo contemporâneo pelo consumo gerou expressivo crescimento na busca por matéria, energia e também a vertiginosa produção de descarte, em todas as escalas: individual, local, nacional e global. Esse material descartado tornou-se elemento básico do repertório de subsistência de parcela significativa de populações excluídas –moradores de rua e catadores de recicláveis”.

O texto é da professora Maria Cecilia Loschiavo dos Santos, titular de design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP), e está na introdução do livro “Design, Resíduo & Dignidade”, que será lançado na terça-feira (21) no Museu da Casa Brasileira, 19h30, em São Paulo.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1535387-lixo-livro-reune-artigos-sobre-design-residuos-e-trabalho-de-catadores.shtml

Anúncios

“Entre sem bater” conta saga da casa própria de Marcelo Rosenbaum

“Passei por muitos endereços e várias tentativas de compra, sem saber que quando fechasse o negócio toda a minha estrutura seria abalada. O primeiro sinal veio com as águas. Houve vazamentos, problemas com o aquecedor, contas astronômicas. Percebi também como eram grandes as expectativas de todos nós – cada qual à sua moda depositava ali sonhos acumulados e desejos conflitantes. A casa rejeitou nossa chegada. Era preciso pedir licença para entrar.”

Depois de pedir licença, o designer Marcelo Rosenbaum resolveu batizar o seu relato sobre a reforma da casa própria de “Entre sem bater” (240 págs., R$ 90). O livro tem lançamento hoje na galeria Ziper, em São Paulo (rua Estados Unidos, 1.494, Jardins).

“Quando me convidaram para editar um livro sobre a nossa casa, a primeira sensação foi: será? Várias vezes eu me perguntei qual o sentido desse trabalho. Conforme as reuniões foram acontecendo e o livro foi tomando forma comecei a entender. Não se tratava de uma espécie de reality show ou exibicionismo. Seria uma forma de compartilhar tudo que envolveu nosso sonho de ter uma casa. Isso poderia trazer inspiração para quem está começando a construir o próprio morar”, prossegue o designer, no texto do livro.

“Entre sem bater” registra o processo de compra e reforma da casa onde mora atualmente Rosenbaum. Traz fotos dos ambientes, mostra mobiliário, objetos, livros, soluções e acabamentos, pontuados por memórias e referências de estilo do designer.

Esotérico, Rosenbaum lança seu convite à visita, na abertura do livro: “Entre e fique à vontade. Mas não se apegue a nada. Assim como os astros e orixás em sua rota pelos céus, assim como a nossa própria passagem pela Terra, tudo está em transformação. E isso é o melhor da vida”.

História, retórica, ética e prática na nova coleção “Pensando o Design”, com seis títulos

Um dos volumes da coleção "Pensando o Design"

Planejada pelos organizadores Carlos Zibel, Marcos Braga e Priscila Farias para suprir a carência de livros em português sobre história do design, a relação entre design e tecnologia e a prática do design no Brasil, será lançada nesta quarta, 1º de dezembro, a partir das 18h30, a coleção “Pensando o Design”, da editora Blucher. O lançamento será na livraria Saraiva do Shopping Pátio Paulista (r. Treze de Maio, 1.947, Paraíso), em São Paulo.

A coleção nasce com seis volumes: “Video games – História, Linguagem e Expressão Gráfica”, de Alan Richard da Luz; “O Design Brasileiro de Tipos Digitais”, de Ricardo Esteves; “Metadesign – Ferramentas, Estratégias e Ética para Complexidade”, de Caio Adorno Vassão; “Do Desenho Industrial ao Design no Brasil”, de Milene Cara; “Tipologia Vernacular Urbana”, de Fátima Finizola e “Retórica do Design Gráfico”, de Licinio de Almeida Júnior e Vera Lúcia Nojima. Os livros têm entre 80 e 140 páginas e custam de R$ 20 a R$ 25.

Em entrevista ao Blog Design, a professora Priscila Farias diz que o objetivo da coleção é publicar textos originais, mas acessíveis, sobre temas relevantes para o debate contemporâneo na área.

“Selecionamos trabalhos que possam trazer novas idéias, para alunos, professores e profissionais interessados. Para esta primeira ‘fornada’ de seis volumes escolhemos trabalhos inéditos, de mestres e doutores. São textos acadêmicos adaptados. Não são reflexões pessoais, especulativas, mas sim resultado de investigações de cunho científico, que passaram pelo crivo não só do orientador, mas também de bancas avaliadoras”.

Para Priscila, a existência da coleção mostra que o ensino do design amadureceu no país. “Encontrar tantos textos de qualidade e adequados para um certo escopo editorial, produzidos no contexto acadêmico, é consequência da maturidade e da ampliação da pesquisa na área de design. Em menos de 10 anos, passamos de dois para 12 programas de pós-graduação na área no Brasil. A produção resultante das dissertações e teses, bem como das pesquisas realizadas pelos professores destes programas é riquíssima, embora nem sempre bem divulgada”.

O público alvo da coleção são estudantes de graduação e pós-graduação design. “Acredito que a coleção tem qualidade suficiente para servir de referência não apenas para leitores brasileiros, mas também para a comunidade internacional de pesquisa em design, que também cresceu nos últimos anos, e está interessada no pensamento sobre design produzido no Brasil.”

Aos seis primeiros volumes, devem se somar não apenas textos integrais, mas também coletâneas, e até traduções. “O espectro de temas que esperamos abordar inclui design visual, design de produto, design para mídias eletrônicas e digitais, design têxtil e de vestuário, design para ambientes construídos, teoria & história do design e design & sociedade, entre outros”.

Entrevistas sobre design e artesanato

Daniel Douek e Lígia Azevedo são os responsáveis pelas entrevistas que o site de A CASA publica regularmente. Agora o museu do objeto brasileiro publica um apanhado de 20 destas entrevistas com designers, artesãos e estudiosos como Renato Imbroisi, Marcelo Manzatti, Janete Costa, Maria Teresa Leal, Glaucia Amaral e Liana Bloisi, Christian Ullmann e Tania de Paula, Marta Mendes e Paulo Sérgio Franzosi, Marisa Ota, Fábio Souza e Helena Sampaio.

“entrevistas design + artesanato – vol. 1” trata principalmente de cultura popular e da interação entre designers e comunidades de artesãos, tema caro ao museu. O lançamento está sendo agora, quarta, 20 de outubro, na CASA (r. Cunha Gago, 807, Pinheiros, São Paulo), durante a premiação e a abertura da exposição do 2° Prêmio Objeto Brasileiro.

Livro capital sobre os sete projetos para Brasília

plano de Lucio Costa e equipe

Debate com os autores Milton Braga, Guilherme Wisnik e Nelson Kon lança neste sábado, 16 de outubro, as 11h, no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, o livro “O Concurso de Brasília: sete projetos para uma capital”.

plano de Rino Levi e equipe

Resultado da tese de mestrado de Braga, defendida em 1999 na FAU-USP, o livro é um precioso e bem lastreado estudo que parte do concurso realizado entre 1956 e 1957 para construção da nova capital do país.

plano de M.M.M. Roberto e equipe

Braga reúne e apresenta documentos fundamentais para a história da arquitetura, localiza historicamente as críticas e polêmicas sobre a construção da capital do Brasil e analisa os projetos com clareza e transparência conceitual.

O volume descreve os projetos premiados das equipes de Milton Ghiraldini, Vilanova Artigas, Henrique Mindlin e Giancarlo Palanti, M.M.M. Roberto, Rino Levi, Boruch Milman e Lucio Costa com fichas técnicas, plantas, textos com os pressupostos e princípios, argumentação sobre implantação, características econômicas e geográficas e também os comentários do júri sobre cada projeto.

Catedral, Esplanada dos Ministérios e praça dos Três Poderes com o Congresso Nacional, do ensaio do fotógrafo Nelson Kon sobre Brasília

Dividindo o livro, um ensaio fotográfico de Nelson Kon sobre a Brasília atual introduz a análise comparativa dos projetos e o confronto do plano piloto de Lucio Costa adotado com a cidade efetivamente construída.

Parque Cultural, centro urbano e ao fundo a Asa Sul, foto do ensaio do fotógrafo Nelson Kon

Também no volume estão as correspondências entre o Instituto dos Arquitetos do Brasil IAB e a Novacap, agência que se encarregou do concurso e da construção, o edital do concurso, breves biografias dos participantes do concurso e dos membros do juri.

A apresentação de Guilherme Wisnik contextualiza o concurso da capital na história do país e no âmbito das discussões do modernismo na arquitetura.

Wisnik sublinha como projetos mais radicais os de Lucio Costa, Rino Levi e dos irmãos Roberto.

E assinala a atualidade e a pertinência do estudo de Braga para o urbanismo:

“O interesse desse estudo não se esgota no diagnóstico da produção brasileira do monento. (…) Como mostra o autor, algumas características notáveis desses três projetos os situam como referências para o debate mundial. Pois, se a proposta dos irmãos Roberto – ligada ao paradigma das cidades-jardins e às idéias de Lewis Mumford – era a síntese radical de uma concepção que começaria a decair a partir daquele momento histórico, mas retornaria depois nos projetos de enclaves suburbanos de elite, o plano de Rino Levi, como observa o autor, já antecipava o conceito de megaestrutura, que se tornaria dominante na década de 1960. E por fim, a concepção de Lucio Costa, segundo Milton Braga, ao mesclar a sua modernidade de base a elementos locais e próprios do passado colonial, antecipou, à sua maneira progressista, e sem mimetismos, o debate urbanístico pós-moderno, que viria a procurar, logo em seguida, alternativas de espaço.”
Livro: “O Concurso de Brasília: sete projetos para uma capital” (288 páginas, 230 ilustrações, R$ 79,00).

Autor: Milton Braga, com ensaio fotográfico de Nelson Kon e apresentação e edição de Guilherme Wisnik.

Lançamento e debate: sábado, 16 de outubro, 11h, no Museu da Casa Brasileira (av. Brigadeiro Faria Lima 2.705, São Paulo)

Geração em destaque

“A Boa Arquitetura de uma Geração”, livro e exposição itinerante, reúne obras de Aflalo & Gasperini, Botti Rubin, Candido Malta Campos Filho, Carlos Bratke, Decio Tozzi, Dacio Ottoni, Eduardo de Almeida, Lelé, Joâo Walter Tosacno, Joaquim Guedes, Paulo Bruna, Paulo de Mello Bastos, Paulo Mendes da Rocha, Reinaldo Pestana, Roberto Loeb, Ruy Ohtake, Sidonio Porto e Siegbert Zanettini.

Será apresentada na quarta, dia 18, na Faculdade de Arquitetura do Mackenzie (Itambé, 135), em São Paulo.

Do papel para o espaço

3P.A.T., 2008 e Raced 33 são três robôs que estão prontos para sair das páginas de um livro e ganhar a terceira dimensão, como objetos colecionáveis de papel. Eles fazem parte do “Livro Branco nº1”, que traz divertidas biografias, instruções de montagem e uma cartela de adesivos para decorar os robôs.

Saído recentemente da gráfica, o livro-objeto foi criado pela Troyart, empresa dos designers Roberto Stelzer e Nelson Schiesari, formada em 2007. É o primeiro de uma série que vai mostrar integrantes da família dos robôs. O lançamento será na Livraria da Vila dos Jardins, na alameda Lorena, 1.731, na próxima terça, 3 de agosto.

Um robô 3P.A.T. já personalizado ao lado do "Livro Branco nº1"

Os primeiros robôs da Troyart ganharam forma em kits feitos em lâminas de acrílico para montar, em 2007.

Os kits de acrílico foram vendidos em algumas lojas em São Paulo, como a Polly Magoo, Conceito Firma Casa, a loja do MAM do Ibirapuera e a loja do Coletivo Amor de Madre, e também na loja do Malba, em Buenos Aires, e em lojas em vários países, como Canadá, França, Espanha, Itália, Alemanha, Rússia e Japão. Em 2009, as lojas da Paul Smith de Londres, Paris e Dubai também passaram a vender os kits.

o robô NIP, feito de chapa de aço, de 12 cm

Os robôs da Troyart fizeram parte também da exposição “Destination Brazil”, realizada em 2009 pela loja de design do MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York). A loja comercializou os modelos de aço dos robôs PIN e NIP, vendidos em kits embalados em caixas de CD.

Na última São Paulo Fashion Week, em junho, foram lançadas numa loja Pop up os kits de acrilico e também pulseiras, botons, colares, ímãs e bolsas de robôs, realizadas em parceria com a estilista Maria Eduar.

A empresa se prepara para levar o livro, os kits de acrílico e os acessórios de moda para a Maison Object e para a Who´s Next, feiras de design e moda de Paris, no segundo semestre de 2010.

Além da Livraria da Vila, que venderá o livro a partir do dia 3, o livro está à venda na recém-reformulada galeria Mundo Mix, na rua Augusta, 2.559, em Sâo Paulo, e na Oba Arquitetura, na Visconde de Pirajá, 371, Ipanema. O preço é de R$ 74,00.