DWY Festival Internacional de Design de Berlim – O design aberto e a era da cópia

Montagem de estande no aeroporto de Tempelhof, em Berlim, para a exposição do DMY 2011 em Berlim 31.mai.2011 / Mara Gama

Uma citação de Gilberto Gil – Sharing is the nature of creation (compartilhar e da natureza da criação) – inicia o texto de apresentação do The Copy/Culture, Simpósio que acontece dia 4 no Festival Internacional de Design (DMY), em Berlim.

Todo estudante de arte e design já teve algum medo de ser copiado e receio também de que seu trabalho seja cópia do trabalho de outra pessoa. A singularidade da criação está sendo questionada pela possibilidade de que alguém possa copiá-la. E originalidade está no centro da ideia ocidental de criatividade. O simpósio se propõe também a analisar este medo básico. Copiar não tem apenas repercussão legal e cultural – tem aspectos morais e psicológicos, escreve o curador do simpósio, Lucas Verweig.

Patrocinado pelo DMY e pelo instituto holandês de Design e Moda Premsela, o simpósio vai reunir teóricos, professores, curadores de arte e design e designers profissionais de várias áreas para discutir as implicações da era da cópia no trabalho e no mercado e as diferenças culturais entre as noções autenticidade, originalidade, cópia e inspiração.

Que modelos a indústria terá que desenvolver para se adaptar a uma possível realidade de desenvolvimento, produção e distribuição descentralizado e qual será o papel do designer numa nova relação de participação com usuários, produtores, vendedores são duas questões centrais que o simpósio pretende analisar.

Como analisar e tirar proveito do que aconteceu com a indústria musical, onde a digitalização e o livre trânsito das cópias pela internet colapsou o sistema do disco. E do mundo do software, onde que o código aberto (open source) tem sido considerado mais eficaz, inovador e fácil de consertar.

Apesar de ser impossível transpor as experiências, o design aberto parece ser a ideia central para a discussão de copyright, cópia e novos sistemas de produção participativos.

Preparação da instalação do artista Kweng Caputo, convidado pelos curadores do DMY para copiar objetos de designers que participam do festival 31.mai.2011/Mara Gama

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s