Em SP, reciclagem chega a 6,56% com cooperativas e centrais de triagem

São Paulo atingiu um marco inédito de reciclagem, multiplicando por quatro seu índice de aproveitamento da coleta domiciliar de papéis, plásticos, latas e vidros em relação a 2013. No último mês de abril, a cidade recolheu 373.413 toneladas de resíduos em geral dos domicílios e 24.285 toneladas de recicláveis, elevando para 6,56% o índice de reciclagem. No começo de 2013, a capital aproveitava apenas 1,74% dos recicláveis.

Naquele ano, 75 distritos da cidade tinham seletiva, sendo que em 14 deles havia atendimento em todas as ruas. Segundo os dados da prefeitura anunciados no último dia 22 de junho, hoje são atingidos os 96 distritos, sendo que em 52 deles a coleta é universalizada e nos 43 restantes há pontos de coleta, mas ainda não há atendimento de todas as ruas.

A prefeitura de São Paulo atribui o salto na reciclagem à instalação de duas centrais mecanizadas de triagem dos recicláveis em 2014 e à maior participação das cooperativas de catadores no sistema.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2016/07/1789547-em-sp-reciclagem-chega-a-656-com-cooperativas-e-nas-centrais-de-triagem.shtml

Seletiva cresceu 138% desde 2010; SP aumentou coleta e inclusão

A coleta seletiva cresceu 138% desde 2010. Atualmente, 1.055 municípios possuem algum tipo de programa de recolhimento de materiais recicláveis, o que representa 18% das cidades brasileiras. Na maior parte das cidades (54%), a coleta é feita por cooperativas e pontos de entrega voluntários, os PEVs. A coleta de porta-a-porta existe em apenas 29% dos municípios. Quase a metade das cidades (44%) mantêm cooperativas de catadores como agentes executores da seletiva municipal.

Apenas cerca de 31 milhões de brasileiros (15% da população) têm acesso a programas de coleta seletiva, dois pontos acima do número apresentado em 2014 (13%). A concentração de cidades com coleta segue nas regiões Sul e Sudeste, com 81% dos municípios, seguida pela região Nordeste, com 10%, pelo Centro Oeste com 8% e 1% no Norte.

Os números de São Paulo tiveram alteração substancial. Em quantidade de material coletado e inclusão de moradores no programa, a cidade deu um salto. Passou de 5 mil toneladas de recicláveis recolhidos por mês para 7,5 mil toneladas por mês, de 2014 a 2016. No mesmo período, o Rio de Janeiro passou de 959 toneladas mês para 2.783 toneladas/mês. Em inclusão de moradores, São Paulo passou de 42% para 82% da população e o Rio passou de 52% para 65%.

Mais em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2016/06/1782647-seletiva-cresceu-138-desde-2010-sp-aumentou-coleta-e-inclusao.shtml

Lixo: Ao comemorar 25 da seletiva, Porto Alegre vai intensificar programa

Porto Alegre (RS) vai ampliar a coleta seletiva. Segunda capital brasileira a implantar o sistema (Curitiba foi a primeira), a cidade já universalizou o serviço para todos os bairros e agora anuncia sua intensificação, com recolhimento em dois turnos e de até três vezes por semana em algumas regiões, a partir de agosto.

Apesar de o serviço atingir a cidade de Porto Alegre toda, das 2.200 toneladas recolhidas por dia, apenas 110 toneladas são de lixo seco separado pelos moradores, uma fração ainda muito pequena. Isso significa que a adesão da população ainda precisa aumentar muito.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2015/07/1654047-ao-comemorar-25-da-seletiva-porto-alegre-anuncia-intensificacao-do-programa.shtml

Lixo: Empresa coleta lixo orgânico de restaurantes e devolve erva e tempero

Na segunda (6), começa a funcionar uma central de tratamento de resíduos orgânicos que vai processar sobras de comida de sete restaurantes da cidade: Martín Fierro, Mesa III, Epice, Attimo, Casa Jaya, Jiquitaia e Beato. A central usa o sistema de compostagem acelerada e está preparada para tratar também resíduos orgânicos de condomínios, hotéis e clubes. Com capacidade inicial de 2 toneladas, pode chegar a 40 toneladas por dia.

A iniciativa é do Instituto Guandu, empresa que faz a coleta nos restaurantes, encaminha para a central e administra o processamento, que tem como resultado final um adubo orgânico. O adubo é usado numa horta onde são cultivados ervas, temperos e outras plantas comestíveis como Ora-pro-nobis, Mastruz, Capuchinha e também Verbena Limão. A produção volta como ingrediente nas preparações de pratos servidos pelos mesmos restaurantes. Em dois deles –Attimo e Casa III– o adubo que vem do processamento dos resíduos também é utilizado na horta local.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1526336-lixo-empresa-coleta-residuos-de-restaurantes-e-devolve-erva-e-tempero.shtml

Lixo: Seletiva deve atingir 4,7 milhões em SP, mas comunicação segue fraca

A abrangência da malha de coleta seletiva está aumentando em São Paulo e deve atingir 4,7 milhões de habitantes até outubro, mais de um terço da população da cidade (total de cerca de 12 milhões). A meta do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PGIRS) da cidade é de passar da taxa de 1,8% de recicláveis coletados no começo deste ano para 10% até 2016, quando se espera ter atingido os 96 distritos da cidade.

A prefeitura anunciou na última terça (23) que dez novos distritos já começam neste fim de setembro a ser percorridos uma vez por semana pelos caminhões da seletiva, entre eles áreas grandes como Cidade Dutra, Grajaú, Socorro, Campo Limpo, Capão Redondo, Cidade Ademar e Ermelino Matarazzo. E, até outubro, 17 bairros serão integralmente atendidos, entre os quais Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação, Liberdade, República, Santa Cecília, Sé, Jaguaré, Lapa, Perdizes, Vila Leopoldina, Barra Funda, Santana e Tucuruvi.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/09/1522728-lixo-seletiva-deve-atingir-47-milhoes-em-sp-mas-comunicacao-segue-fraca.shtml