Lixo: Segundo turno das madeiras

Em vez de chutar ou descartar, reusar. Cavaletes de propaganda eleitoral de São Paulo foram transformados em cinco objetos –entre eles o Cabideiro Ficha-Limpa, “feito para político corrupto pendurar a chuteira”, e a Mesinha da Democracia, onde “todos os bibelôs têm direitos iguais”. A proposta é do Mobiliário Político, uma iniciativa que pretende discutir os danos desse tipo de propaganda e quer transformá-las em “algo legal para a população”, de acordo com o seu slogan.

As cavaletes com caras de candidatos atrapalharam os pedestres durante toda a campanha, impediram a visão da sinalização de trânsito e dos próprios carros e travaram os passeios públicos. Além do estorvo para a mobilidade, geraram centenas de toneladas de lixo. No primeiro turno, foram aproximadamente 45 toneladas em Porto Alegre, 50 toneladas em Brasília, 140 toneladas em Belo Horizonte, 250 toneladas em São Paulo e 350 toneladas no Rio, segundo dados de jornais compilados pela ONG Mobilize, que idealizou o projeto Mobiliário Político.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1541107-lixo-segundo-turno-das-madeiras.shtml

Anúncios

Lixo: Câmara aprova mais prazo para fim dos lixões

No meio de uma Medida Provisória de incentivo à atividade econômica, a Câmara dos Deputados aprovou, no último dia 14, a ampliação de mais quatro anos de prazo para que as prefeituras de todo o país acabem com os lixões. É um retrocesso colossal.

O estrago ainda não é definitivo. MP segue para votação no Senado, onde tem prazo até 6 de novembro para ser aprovada, ou perder a validade. O Senado pode aprovar na íntegra ou modificar. Se o Senado aprovar, o texto será enviado para a Presidência da República, que pode sancionar a MP na íntegra, vetar partes dela ou vetá-la totalmente.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1537439-lixo-camara-aprova-mais-prazo-para-fim-dos-lixoes.shtml

Lixo: Catadores brasileiros falam de reciclagem e inclusão em Nova York

O sistema do lixo nas ruas de Nova York chamou a atenção de Eduardo Ferreira de Paula, que visitou a cidade no mês passado. Nas calçadas perto do hotel em que se hospedou, ele observou dois tipos de sacos: pretos com lixo misturado e transparentes com recicláveis. Viu catadores de recicláveis recolherem os sacos transparentes, privilegiando os que tinham plásticos e latinhas e levarem até postos de entrega mecanizados que retornam tíquetes de acordo com o peso do material entregue. Os tíquetes viram vale alimentação ou dinheiro. Ele não notou nenhuma conexão ou organização entre os catadores.

Eduardo Ferreira de Paula é um dos mais antigos integrantes do Movimento Nacional dos Catadores de Recicláveis (MNCR), entidade brasileira que tem 13 anos e que se formou com o objetivo de defender condições de trabalho e remuneração justas, reconhecimento ao papel ambiental dos catadores e a inclusão de suas cooperativas na cadeia econômica da reciclagem. O MNCR teve papel fundamental na estruturação da lei brasileira que regulamenta o setor, considerada avançada por especialistas em gestão de resíduos.

Com mais oito representantes do MNCR, dos estados de São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Sergipe e Minas Gerais, Ferreira de Paula participou de um painel sobre sustentabilidade e combate à pobreza, evento paralelo à 69ª Assembleia-Geral das Nações Unidas e que foi realizado na Universidade de Columbia, dia 24 de setembro.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/10/1530270-lixo-catadores-brasileiros-falam-de-reciclagem-e-inclusao-em-nova-york.shtml

Lixo: Seletiva deve atingir 4,7 milhões em SP, mas comunicação segue fraca

A abrangência da malha de coleta seletiva está aumentando em São Paulo e deve atingir 4,7 milhões de habitantes até outubro, mais de um terço da população da cidade (total de cerca de 12 milhões). A meta do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PGIRS) da cidade é de passar da taxa de 1,8% de recicláveis coletados no começo deste ano para 10% até 2016, quando se espera ter atingido os 96 distritos da cidade.

A prefeitura anunciou na última terça (23) que dez novos distritos já começam neste fim de setembro a ser percorridos uma vez por semana pelos caminhões da seletiva, entre eles áreas grandes como Cidade Dutra, Grajaú, Socorro, Campo Limpo, Capão Redondo, Cidade Ademar e Ermelino Matarazzo. E, até outubro, 17 bairros serão integralmente atendidos, entre os quais Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação, Liberdade, República, Santa Cecília, Sé, Jaguaré, Lapa, Perdizes, Vila Leopoldina, Barra Funda, Santana e Tucuruvi.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/09/1522728-lixo-seletiva-deve-atingir-47-milhoes-em-sp-mas-comunicacao-segue-fraca.shtml

Lixo: A 1ª usina de biogás no interior de SP

O interior do Estado de São Paulo inaugurou oficialmente sua primeira usina de energia do gás que vem do lixo. É a usina de Guatapará, que usa como matéria prima os resíduos domésticos de 20 cidades da região nordeste de SP, entre elas Ribeirão Preto, Araraquara, São Carlos e Sertãozinho.

Cerca de 2.200 toneladas de resíduos chegam por dia ao CGR (Centro de Gerenciamento de Resíduos) de Guatapará. Os resíduos são ali depositados e, da decomposição gerada pelos alta parcela de orgânicos, forma-se o gás metano. O gás é captado por mangueiras e enviado a uma estação de purificação e resfriamento. Da queima desse gás, se produz energia.

Segundo informações da empresa Estre, a usina de Guatapará tem capacidade de gerar 4,2 megawatts de energia, quantidade bastante para abastecer uma cidade com 18 mil habitantes, e deve chegar a 10 megawatts até o final de 2014. A energia gerada atualmente já abastece a estação energética da cidade de Pradópolis.
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/maragama/2014/08/1500749-lixo-a-1-usina-de-biogas-no-interior-de-sp-e-o-design-que-transforma.shtml