“Descobrir o design” – mostra com a coleção de Von Vegesack em Turim

A Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli, na área do Lingotto, em Turim, mostra até 6 de julho a coleção de Alexander von Vegesack, com o título “Descobrir o Design”.

A mostra faz parte do projeto “Turim 2008, capital mundial do design”, que dura o ano inteiro com exposições, debates, ciclos de conferências e publicações, com o intuito de popularizar o design.

Anúncios

Dia de eleição em Turim, capital mundial do design 2008

Domingo, dia 13 de abril, dia de eleições na Itália. Em Turim, pela manhã, sol de primavera, clima de feriado com música e brinquedos para as crianças na Piazza Castello. Este é o Vertigem, dois aros paralelos de metal unidos por barras onde se pode segurar e rodar. Brinquedo que surgiu da dança e ganhou a rua.

Também foi dia de maratona, que passou pela Via Po, rua que sai da Piazza Castelo e vai em direção ao rio Po, um dos dois que cortam Turim. O outro é o Dora.

Propaganda eleitoral à italiana

A propaganda eleitoral tem locais reservados nas ruas de Turim, os cartazes têm tamanho padrão e as campanhas parecem não poluir a cidade. Numa via paralela ao Parco del Valentino, cartazes de vários candidatos são colados lado a lado. A disciplina nas campanhas é de invejar. Já os cartazes não são lá inovadores. No país que inventou as figuinhas Pannini, tá fraco.

Quase todos repetem a fórmula de reproduzir o selo da cédula e cravar um x. Não é por acaso. Com as eleições políticas junto com as administrativas, em algumas cidades, como a capital, Roma, o eleitor tem de preencher seis cédulas. Além do que, com as várias alianças, fica mais difícil guardar quem apóia quem. Com tanta variável, melhor fixar a mensagem.

Os jornais italianos desta segunda frisam nas manchetes queda na presença na votação geral – 62,5% votaram no primeiro dia, contra 66,5% no primeiro dia nas eleições de 2006. Berlusconi, o “advogado”, que já esteve no governo e agora é cadidato pela coalizão do partido Povo da Liberdade com a Liga do Norte, era favorito, segundo analistas.

Um dos cartazes de apoio ao candidato Veltroni, ex-prefeito de Roma, da coligação do Partido Democrático com Itália dos Valores, é mais moderno e, assim como a campanha, quer atualizar a imagem da esquerda. Estampa a cara do candidato que propõe um governo de ação, com o lema “É possivel fazer”, e também o ministério mais “rosa” que a Itália já teve, o que quer dizer: com muitas mulheres no poder. Mais uma inspiração Zapaterista.

O campeão de mau gosto é o cartaz da Liga Norte, uma das forças de direita que apóia Berlusconi. Mais preocupado em, digamos, “firmar o conceito”, que em pedir votos para  candidatos, o cartaz é o mais terrível e o mais forte na comunicação. Dá para não entender a mensagem contra os imigrantes? “Eles sofreram imigração e agora vivem em reservas. Pense nisso…”

Borgo Medievale de Turim

O Smart, ultrapremiado modelo de automóvel, está em toda parte. Nos Estados Unidos, onde chegou mais recentemente, o Smart “Fortwo” foi classificado como ecologicamente correto, pois além de ter circuito interno que economiza energia no motor, consome pouquíssimo combustível. Ainda mais se comparado às barcas americanas. The Exquisite Car. Miniaturas à venda, na entrada do Borgo Medievale.

O Borgo Medievale até que é legal, mas logo que você se aproxima das muralhas e das paredes já percebe que não daria para ser medieval e estar tão conservado e você ainda não saber de tudo isso. É fake. Foi construído no século 19. Boa cenografia.

Bem perto do Borgo, na margem do rio Po, outra falseta. Desta vez da natureza. Mas essa é linda. Na primavera, uma espécie de paineira solta uns flocos que parecem neve. Quando bate o vento os flocos voam e depois se acumulam no caminhos de pedra do Parco del Valentino.

“Turim 2008 – capital mundial do design” que mostrar que o design pode melhorar a vida das pessoas. Sim, claro que pode. Poderia começar com o banheiro do Borgo Medievale. Ausência de design. Vietato!

Exposição nas galerias da Via Po, em Turim

Nas galerias cobertas, comuns em toda a cidade, e que também estão nas laterais da Via Po, uma exposição de fotos pregadas nas arcadas superiores acompanha o passeio dos pedestres. A mostra, que começou em março e vai até dezembro, pretende reforçar a idéia da presença constante do design na vida cotidiana das pessoas.

Da Via Po a Piazza Vittorio Veneto, são 80 cartazes impressos em material vinílico com ícones do design, com nome do autor, data e definições bem-humoradas e sintéticas. A mostra faz parte do projeto Turim 2008 – capital mundial do design.

Dia de eleição em Turim, capital mundial do design 2008 – produção local

Numa das marginais do Rio Po, em Turim, uma simpática cabeça de touro homenageia a cidade e dá água ao mesmo tempo. Ou vice-versa. Bom design.

A primavera anima o Parco del Valentino, que fica cheio de gente. O pequeno torinês Paolo dá uma banda em sua bicicleta de madeira, muito bacana, de fabricação local.

Dois irmãos armaram um esquema econômico e auto-sustentável para se movimentar, se divertir e ainda levar o cachorro, também no Parco del Valetino.

Roberto Sambonet é tema de mostra no Ano do Design em Turim

“Roberto Sambonet – designer gráfico e artista” é um dos destaques do projeto “Turim 2008, capital mundial do design”.

Durante o ano inteiro debates, publicações, conferências, intervenções urbanas e mostras têm como objetivo “sensibilizar o público” para a compreensão do design como conjunto de instrumentos e metodologias para melhorar a vida material, incluindo aí projetos de largo espectro, iniciativas públicas, educação, planejamento econômico e urbano.

A mostra sobre Sambonet começou no último dia 8 e fica até 6 de julho no Palazzo Madama, centro de Turim.

Artista polivalente

A escolha do artista polivalente se casa com o intuito de exemplificar a abrangência do design.  Na foto abaixo, o artista e alguns dos utensílios projetados por ele e produzidos pela Sambonet nos anos 1970.

Na obra de Sambonet, os vários suportes demonstram e reiteram a importância da base do desenho, instrumento de observação, documentação e estudo do que já existe e ao mesmo tempo trabalho manual e projetual para a criação de novas formas. Abaixo, uma de suas panelas “peixeiras”, com presilhas de encaixe nas pontas.

Designer de objetos e publicações, artista gráfico, pintor e quase arquiteto (interrompeu os estudos em Milão, durante a Segunda Guerra), Sambonet (1924, Vercelli -1995, Milão)  viajou o mundo resgitrando imagens e observações sobre diversas culturas e suas manifestações em seus cadernos de desenhos. Recolheu também artesanato, objetos, conchas, pedras como cientista em pesquisa de campo. China, Tailândia, Índia, México e Peru são presentes em sua obra.

Experiência no Brasil

Viveu no Brasil de 1948 a 1953, foi muito próximo de Lina e Pietro Maria Bardi na época da fundação do Masp, onde também deu aulas de artes gráficas e estamparia no extinto Estúdio de Arte Contemporânea.

Nesta época participou ativamente desenhando roupas e o cartaz do Primeiro Desfile de Moda de São Paulo, projeto que contou com a colaboração de diversos artistas plásticos e gráficos e a concepção de Lina Bo Bardi.

A mostra de Turim traz fotos de algumas roupas desenhadas por ele e que chegaram a ser feitas, o programa do desfile com a explicação para o uso das roupas em cada ocasião e também desenhos de sapatos e óculos que nunca foram produzidos.

Publicou em Milão, entre os anos 1960 e 1970, o livro “Juqueri, Esperienza Psichiatrica di un Artista” ou “Della Pazzia” (Da Loucura), com a série notável e desconcertante de desenhos que fez tendo como tema os pacientes do manicômico do Juqueri, em São paulo, local que frequentou por uma temporada, ainda nos anos 1950, com a permissão de um amigo psiquiatra para observar os internos.

Nos anos 1980, viajou pela Amazônia, produzindo aquarelas sobre a natureza , artesanato e formas de construção regionais de palha e vime.

Nos textos de apresentação e nas legendas de objetos e fotos, a curadoria da mostra trata a passagem pelo Brasil como momento crucial para o trabalho do designer.

Gráfica, cenografia e objetos

De volta a Europa, nos anos 1950, o interesse pela moda prosseguiu e Sambonet fez projetos para a cadeia de lojas italianas La Rinascente, em vitrines,  pesquisa de objetos, cenografia, temas de coleções e projetos de comunicação.

Na mesma década, conheceu Alvaar Alto, que exerceu grande influência sobre seu trabalho. também nos anos 1950, Sambonet começou a projetar objetos para a empresa da família.

Além dos desenhos, aquarelas, cadernos de viagem com croquis, esboços e estudos sobre cores e paletas, a mostra conta com uma série significativa de cartazes, projetos gráficos para jornais, comunicação corporativa, capas de livros, logotipos, objetos para empresas – como o cubo de tênis para a Fiat (um cubo com o tamanho de uma bola de tênis).

Na parte dedicada aos objetos, há talheres, panelas e utensílios de cozinha e mesa em aço inox, vasos de vidro e embalagens sofisticadamente articuladas. Projetos para a empresa SpI, Sambonet Paderno Industria, que é uma das maiores empresas italianas na área de talheres e objetos de inox e que mantém em linha alguns de seus desenhos originais.

Sambonet conquistou duas vezes, em 1956 e em 1970, o “Compasso D’Oro”, prêmio internacional que foi durante muito tempo o mais significativo para a área.